ideia para um museu

1. em “território fantasma”, william gibson fala de um contêiner cheio de dinheiro sujo, esperando por uma oportunidade de lavagem. enquanto está a esperar, é deslocado de navio em navio, no mar, nunca ancorando. as posições dele são monitoradas por um sujeito que, entre outras coisas, presta serviço para um artista de arte locativa – ele programa roteadores secretos que projetam virtualmente imagens em locais públicos. algo que poderia apenas ser visto com o “google glass” antes do google glass, um dispositivo DIY pré-mercadológico.

2. na exposição do kandinsky no ccbb bh (que aliás, continua sem pagar o dinheiro de apresentações que lá fiz em janeiro), aquele brinquedinho imersivo sem graça, no térreo. mergulhar em uma realidade virtual de cores, um peixe para as formas.

3. eu já não sou um apreciador de kandinsky, acho-o um pintor grosseiro – comparemos com um pavel filonov ou um kasimir malevitch ou com não-pinturas de um el lissitsky. na verdade, eu acho o trabalho de posters sovietes mais interessante e melhor executado, por exemplo, embora sem as preocupações musicais (e em se tratando de preocupações musicais, o suprematismo as tem em melhor forma e certamente paul klee também, na alemanha).

4. gibson, ao explicar porque seus últimos três romances não se passavam em futuros distópicos, como todo o resto dos seus romances e contos anteriores, respondeu: “o futuro é agora, o futuro já está aqui, apenas desigualmente distribuído”.

5. um ex-kgb, muito puto com os donos do contêiner, armou um modo de contaminar o conteúdo com césio, de modo que eles não o percebessem. dinheiro marcado, mas apenas para dectetores de radiação.

6. um museu não precisa mais do que roteadores e celulares, projetores e superfícies, alguns móveis. mapping e esculturas virtuais. sensores e passeios por zonas temporárias.


postado em 14 de julho de 2015, categoria comentários : , , , , , , , , , , , , ,

dissimilitude

nesse dia 10 de janeiro [a que dissimuladamente chamamos de 31 de dezembro] é sempre bom lembrar que, tal como não houve natal, não haverá ano novo. no undo, a que dissimuladamente nos referimos ainda como mundo, ao dizer “2012” significamos “0000”, ao dizer “feliz ano novo”, queremos apenas dissimular a destruição total acometida, sutilmente.

entretanto, entendemos que todos esses costumes, já mortos e decadentes, escondem um desejo real, qual seja: de que os dias sejam bons, de que sejam ótimos, de que sejam excelentes, de que sejam ruins, de que sejam péssimos, de que sejam nulos, que contenham alegria, tristeza, angústia, felicidade, calma, raiva, loucura, normalidade, apatia, alienação, entusiasmo, engajamento, responsabilidade. enfim, que os dias sejam dias, de todo o coração.

assim, por dia, entendemos o valor da continuidade, por natal e ano novo queremos dizer “acostumar-se, habituar-se – fazem parte da nossa vida”. de que ao dizer “feliz ano novo”, simulamos e assim inventamos um ciclo, a espiralar continuamente, mesmo quando não há nem continuidade, nem espiral, mas apenas ruptura e imobilidade.

“todos os anos são o ano”: o que isso significa? que há apenas um único ciclo, imóvel porque inteiro mobilidade – o grande não, o no do undo, um no que afirma nossa existência presente. diríamos “feliz mundo novo” se dizer isso não fosse errado e invonveniente. pois o undo faz-se justamente desfazendo-se; estabelece-se na dissimulada continuidade de um mundo já acabado. 

[comunicado do undo no.4, ia único do no único o grande no, perpetuamente: não há futuro, por mais que dissimulemos o hoje no amanhã]


postado em 31 de dezembro de 2012, categoria Uncategorized : , , , , , , ,

ainda sobre os feitiches relacionados a viagens no tempo

alguns devem ter-se perguntado seriamente sobre porque não há grandes feitiches da viagem no tempo quando se vai ao futuro. para todos os que não pararam para pensar sobre isso aqui vão três exemplos. espero que a leitura destes possa tornar clara a inutilidade do tipo de empreendimento que descrevem.

1. um sujeito vai ao futuro para assistir à sua propria morte. quando morre, pensa: “a morte é justamente onde eu não estou, mas cá estou”. alternativamente: “há vida após a morte, só que não após a segunda morte”, ou “o gato morre sete vezes, e eu duas”.

corolário: se é concedida a possibilidade disso, então fica indicado o fato dos gatos viajarem para o futuro. 

2. um sujeito vai ao futuro assistir a sua morte. quando se empolga e comete a atrocidade, diz não poder ser preso por assassinato. na verdade se trata de suicídio doloso.

3. imagine-se viajando no tempo para o futuro com uma máquina portátil, com o objetivo de pentelhar-se por todos os dias de sua própria vida. convence-se, após pentelhar-se por um dia inteiro, a viajar para o dia seguinte e pentalhar-se por um dia inteiro, convencendo-se a pentalhar-se no dia seguinte por um dia inteiro etc. 

***

explicações: se ainda não entendeu onde deve-se chegar, leia abaixo.

1a. o sujeito chega no horário e local previsto pela cartomante para sua morte, afim de presencia-la em vida. só que daí morre.

1b. o sujeito chega no horário e local previsto pela cartomante para sua morte, só que não há ninguém lá. a cartomante sabia disso e enganou-o por um bom bocado. isso porque, justamente, ao viajar no tempo para o futuro, ele viajou no tempo para o futuro (e não envelheceu).

2. mesmas ressalvas a 1, com a adicional de que se suicidar é crime grave e inafiançável na maioria dos países do mundo.

3. pense sobre o propósito disso. faça um diagrama. não é muita estupidez?

***

corolário ortografia: eu escrevo feitiche com esse “i” antes do “t” mesmo. algumas pessoas tem me indicado que isso é errado, mas eu falo com o “i”. 

corolário futuro encontro: enquanto é fácil se encontrar no passado, no futuro isso não é tão simples. o modo mais garantido é voltar ao passado e se convencer a não voltar para o passado. aí sim, viajar ao futuro, e se encontrar mais velho. isso pode ser paradoxal, mas não chega a ser um feitiche.

corolário assassinato: voltar ao passado afim de se convencer a não voltar ao passado para ver sua própria morte no futuro pode ser problemático, especialmente se o caso for o do ponto 2. afinal, você não quererá ser morto, a menos que já seja suicida. se assassinar (ou suicidar-se-a-si-outro) no futuro não chegará nunca a ser tão emocionante quanto comer-se-enquanto-bebê no passado.


postado em 12 de novembro de 2012, categoria Uncategorized : , , , , ,

futurologia #1

não haverá mais casas, mas apenas microlópoles.


postado em 12 de setembro de 2012, categoria Uncategorized : , ,