distopia oitentista

como chegar ao mundo desregulamentado das distopias cyperpunks se o capitalismo contemporâneo é justamente aquele do estado oligárquico: nunca se recusou tanto a mistura do público e do privado ao mesmo tempo que nunca se hibridizou tanto o dinheiro público e o privado, no sentido de um aumento das diferenças de renda cada vez maior, garantido pelos estados e sua “política”. de modo que o futuro oitentista parece-nos até mesmo desejável (e há anarco-capitalistas que acham que o sinal negativo nele contido poderia muito bem simplesmente multiplicado por “menos um”).

 


postado em 18 de abril de 2016, categoria comentários : , , , , ,

congestionamento

1. há uma tirinha genial em que a solução para um congestionamento paralisador é cimentar por cima e começar de novo (eu não consegui encontrá-la e não sei o autor).

2. no romance distópico “não verás país nenhum”, loyola brandão apresenta uma situação ainda pior, uma avenida que acaba por se transformar em um imenso cemitério de carros:

– Quem ia pensar que um dia íamos nos sentar tranqüilos entre os carros, nesta estrada?
– Estão  aí, mortos. Quanta lata velha.
– Os carros ficaram parados dois anos em frente à minha casa.
– Você morava quase no centro. O meu bairro foi pouco afetado.
– Quase fiquei louco, Souza, naquela noite. Queria matar, pegar alguém. Como buzinavam, aceleravam. Podia ver o ar preto de fumaça. A maioria esgotou a gasolina e o álcool do tanque. Ninguém desligava o motor. Pela manhã, as pessoas continuavam dentro dos carros. Como se pertencessem a ele. Câmbio, volante, freio, condutor. Esperavam, não sei o quê.
– Na minha rua teve gente que não acreditou no noticiário, tirou o carro da garagem, pela manhã, e foi embora. Voltou a pé.
– Teve motorista que ficou uma semana, duas, sem abandonar o carro. De vez em quando batiam, pedindo para ir ao banheiro. Recusei, para todos. O que estavam pensando? Que fossem para suas casas. As famílias traziam mudas de roupas, café, comida. E o desespero quando souberam que não circulariam mais? Choravam diante do automóvel, inconsoláveis, lamentando como se fosse parente morto. Mulheres desmaiavam, histéricas.
– Tenho fotos dessas semanas. Principalmente dos rostos. Eles me interessavam mais que os carros bloqueados. Rostos patéticos, expressões perplexas. Como se tivessem sido postas ao mundo de repente. Não era ódio, raiva, irritação. Era derrota, tristeza, interrogação. Fotografei tanto olhar apalermado!
– Nos primeiros tempos, estranhei o silêncio. Foi então que reparei um zumbido permanente nos ouvidos. Até aqueles dias, não tinha notado. O médico disse que não tinha cura. Continua até hoje, me acostumei.

{ignácio de loyola brandão, não verás país nenhum, global editora, 17ª edição, 1990}


postado em 31 de julho de 2014, categoria excertos, livros : , , , ,

5:95

se no occupy wall street falava-se em uma proporção (99:1), vou chutar aqui algo do tipo 5:95 e qualquer coisa perdoem minha miopia. se as hashtags contra-pragmatistas #vaitercopasimsóquenão e #nãonãovaitercopaaocontrário não ajudam muito, propor-me-ei outras duas e aproveitarei a do meio, muito bem exemplificada na obra performática recente de ed marte:

  • #obrasilnãochegaàsoitavas
  • #vaitercópula
  • #ufanismodistopia

postado em 6 de junho de 2014, categoria slogans : , , , , , , , , , , , ,