humanos: animais

às vezes, ao ser confrontado com a burrice e estupidez humana, tento diminuir minha irritação pensando: são apenas animais, os humanos.

mas se um cachorro, na rua, corre em minha direção e morde minha perna, ou faz cocô bem na entrada de minha casa, por acaso não me irrito?

(pense em um gato em cima de uma árvore, em pânico)


postado em 14 de fevereiro de 2017, categoria aforismos : , , , , ,

rufo cansado

a pedido de anna arbo fiz uma gravação do rufo esbaforindo, após um dia de galanteios fracassados, durante o avantgarden 3, 11 de setembro de 2016, na minha casa, em belo horizonte.

1. normal.

2. um quarto da velocidade, com reverb e equalização.

3. duas vezes a velocidade, com equalização e expansão.


postado em 12 de setembro de 2016, categoria gravações : , ,

memorial lucky luke

1. cissi se escondeu. meu pai verificou e tinha dado a luz. uma única vez, um único filho. pela aparência, o pai era um rottweiler.

2. pequenino, dormindo em cima da minha barriga, começa a fazer xixi.

3. seu nome, em homenagem ao personagem das bandas desenhadas, o lucas sortudo, o homem que atira mais rápido que sua própria sombra.

4. como um pastor alemão, a correr em volta da casa, voltas e voltas, mas com orelhas caídas.

5. passeando por barão geraldo, a tensão de ter de correr ao encontrar cachorros soltos e briguentos.

6. e aquela vez no terreno baldio ainda sem muro em volta (a alguns anos é um terreno baldio com muro em volta): ataque de uma mãe quero quero, razante eu e lucky. pra ele, apenas uma ocasião para correr. eu, imaginando bicadas no coro cabeludo.

7. quando cissi sumiu (não voltou após passeio noturno sem acompanhamento), já bem velha, talvez espreitasse a morte. eizaburo, meu vô japonês, também nos últimos meses de vida, saindo pra procurar gritando seu nome e nada – já depois da diabetes e dificuldade de locomoção. quando não há esperança mas tampouco para-se de procurar.

8. recebemos em casa café para fazer dupla com lucky. café era um boxer pequenino e novo, e como tal, um pouco desorientado. apesar do aumento de vitalidade, desconfiamos que lucky tenha aberto o portão e dito vá lá, o mundo é grande, depois você volta, eu também vou. mas só lucky retornou. deixou café perdido? deixou ele deslumbrar-se rua afora e não saber retornar? foi capturado? nunca mais o vimos.

9. kiko veio (ou quico), vira lata nomeado em homenagem ao novo papa (numa família inteiramente atéia!). lucky cada vez mais velho, animou-se de novo. mas era velho, cada vez mais.

10. 16 e 17 anos. ficou um pouco cego. ficou mais teimoso. ficou cego e surdo. latia pouco. sua perna tremia.

11. um belo dia, como diria guimarães rosa, se encantou (se vale para pessoas, deve valer para cachorros também). lucky teve um ataque cardíaco, vomitou e morreu. foi enterrado dignamente no buracão, debaixo de uma arvorinha.

lucky luke 2012-08-21 e bola


postado em 20 de agosto de 2014, categoria crônicas : , , , , , , , , ,

frases do mês, julho-agosto 2014

1. o cachorro até pode ser o melhor amigo do homem, mas o homem é o melhor amigo do rato.

2. é uma máquina de autozerar.

3. a vida com tocar piano é bonita, mas a vida sem tocar piano é mais bonita.


postado em 17 de agosto de 2014, categoria aforismos : , , , , ,