greve geral e arte

nos perguntamos se o artista está incluido, mesmo que apenas simbolicamente, na esfera “trabalhador”, ou se, desesperançoso e nihilista ou indiferente e elitista, ele paira ao lado ou acima desta.

supomos que certas atividades como:

  • ver espetáculos e demonstrações
  • participar de oficinas
  • ensaiar
  • preparar e planejar obras e performances
  • corrigir ações e materiais
  • fazer reuniões de coordenação

devam ser deixadas de lado nesse dia de greve geral. ou não são trabalho? na performance de um ano de 1985–1986 de tehching hsieh – “no art piece”, o trabalho feito consistia em capitalizar a difícil arte de não-trabalhar durante um ano. ao contrário dessa ação individual, os chamados de greve na arte, por the workers coalition, gustav metzker, stewart home e o gupo práxis etc apelavam especificamente à classe, mas aproximando-a de preocupações e táticas de outros setores do mundo produtivo.

o que se pede no dia 28 de abril é, entretanto, muito mais modesto: que cada um avalie sua diferença enquanto artista como plenamente irrelevante.


postado em 25 de abril de 2017, categoria comentários, proposições : , , , , , , , , ,

Comments are closed.