a ideia / a foto

1. nos faz prometer muito mais do que é possível cumprir.

2. nos faz lembrar que não nos esquecemos.

***

o homem é um projeto? se não, é preciso ter a fotografia mas não a foto. e deixar fluirem as ideias até que o rastro seja tênue ressonância.


postado em 11 de dezembro de 2017, categoria aforismos : , , , , , , , ,

velocidade no trabalho

como eu sou uma pessoa que não acredita na lentidão no trabalho e que evita ponderar sempre que pode, tenho de distribuir aqui e ali tarefas repetitivas, seja estafantes ou simplesmente copiosas. deep working? i’d rather go surface tinkering. either way, “let the brain do the job”.


postado em 1 de dezembro de 2017, categoria aforismos : , , , ,

alma

ter uma alma significa primeiro que não somos essencialmente nosso corpo, mas logo depois, que tampouco somos nossa mente e consequentemente, que não somos essencialmente nosso ego. ter uma alma, portanto, implica eu ≠ eu. o profundo e o superficial. como essência, quer indicar um descentramento constitutivo, ou seja, uma estabilidade puramente formal, e a nossa liberdade não é, em verdade, nossa. uma determinação que não nos diz nada é uma ótima oportunidade de forjar deveres. mas os deveres só valem pra outrem.


postado em 27 de novembro de 2017, categoria aforismos : , , , , , , , ,

o tamanho dos seres

intelectualmente, não teríamos grandes questões éticas se seres alienígenas muito grandes invadissem a terra e começassem a indiscriminadamente matar os pequeninos humanos e a limpar terreno, varrendo construções e cidades inteiras. não deixaríamos de protestar, reclamar, vociferar e desesperar. mas como muito bem colocou william blake: “o verme cortado perdoa o arado”.


postado em 17 de novembro de 2017, categoria aforismos : , , , , , ,

quanto ao excesso de sentido da vida

1. a arte reduz/fixa
2. a ciência desloca/elimina
3. a filosofia circunscreve/delimita


postado em 1 de outubro de 2017, categoria aforismos, prosa / poesia : , , , , ,

provérbios japoneses

1. se a xícara queima sua mão, o chá queima sua língua.

2. de manhã, planeje. de tarde, trabalhe. de noite, descanse.

3. não importa o quê: depois de 10 anos, você sente que começa a entender.


postado em 28 de setembro de 2017, categoria aforismos : , , , ,

arte contra a vida

1. um poema

barrar o devir
expiar a experiência
domar a loucura

arte contra a vida

2. são notórias as reclamações de bataille contra o (segundo) surrealismo, ou o “surrealismo estético”. não sei se ele teria previsto o quão rápido seria a apropriação ou o paralelismo publicitário nesta direção, produzindo um misto de arte e vida contra a vida. mas ele estava suficientemente consternado com um tipo de arte expressiva, a ponto de escrever:

se um homem começa a seguir um impulso violento, o fato de exprimi-lo significa que renuncia a segui-lo ao menos durante o tempo de expressão. A expressão exige que se substitua a paixão pelo signo exterior que a figura. Aquele que se exprime deve, portanto, passar da esfera ardente das paixões à esfera relativamente fria e sonolenta dos signos. Em presença da coisa exprimida, é preciso, portanto, sempre se perguntar se aquele que a exprime não prepara para si mesmo um profundo sono.

{georges bataille, a loucura de nietzsche, trad. fernando scheibe, editora cultura e barbárie, achephale vol. 5, p.9}

em relação à impostura de “um pesadelo que justifica roncos”, nada mais frouxo e distanciado da loucura, de tornar-se vítima de suas próprias leis. eis a potência da arte expressiva: normalizar.


postado em 24 de setembro de 2017, categoria aforismos, prosa / poesia : , , , , ,

a festa de casamento

é a obra de arte total do povo.

***

Die Ehe Trauung ist das Gesamtkunstwerk des Volkes.


postado em 28 de agosto de 2017, categoria aforismos : , , ,

o ritmo do músico na dança

é comum que alguém, vira e mexe, pergunte-se porque músicos em geral são tão desengonçados para dançar. afinal, eles não deveriam dançar bem, sabendo o ritmo? mas quem disse que ritmo era um conceito capaz de unificar fora da mente e da abstração duas práticas tão diversas quanto música e dança? (imagine que se diz de um ciclista: mas porque ele corre tão devagar, se pedala tão rápido?).


postado em 11 de julho de 2017, categoria aforismos : , , , , , ,

aura

christian wolff dizia sobre tocar notas que não importava o que você fizesse, acaba soando como uma melodia. nas reviravoltas da história e nas intrigas políticas sempre queremos enxergar um plano, vislumbrar uma estratégia, e as coisas sempre acabam tendo um motivo (pense nas fases do espírito). ademais, dada uma sequência de números qualquer, um padrão é inevitável. isto é, o padrão é a forma da nossa apreensão de uma sequência. da mesma forma, não importa o quão reprodutível, despersonalizada e genérica uma obra artística seja: acaba tendo aura. essa sombra monadológica.


postado em 10 de junho de 2017, categoria aforismos : , , , , , , ,