o ritmo do músico na dança

é comum que alguém, vira e mexe, pergunte-se porque músicos em geral são tão desengonçados para dançar. afinal, eles não deveriam dançar bem, sabendo o ritmo? mas quem disse que ritmo era um conceito capaz de unificar fora da mente e da abstração duas práticas tão diversas quanto música e dança? (imagine que se diz de um ciclista: mas porque ele corre tão devagar, se pedala tão rápido?).


postado em 11 de julho de 2017, categoria aforismos : , , , , , ,

aura

christian wolff dizia sobre tocar notas que não importava o que você fizesse, acaba soando como uma melodia. nas reviravoltas da história e nas intrigas políticas sempre queremos enxergar um plano, vislumbrar uma estratégia, e as coisas sempre acabam tendo um motivo (pense nas fases do espírito). ademais, dada uma sequência de números qualquer, um padrão é inevitável. isto é, o padrão é a forma da nossa apreensão de uma sequência. da mesma forma, não importa o quão reprodutível, despersonalizada e genérica uma obra artística seja: acaba tendo aura. essa sombra monadológica.


postado em 10 de junho de 2017, categoria aforismos : , , , , , , ,

herói

é só muito ocasionalmente as figuras do herói e do vencedor coincidem. pois são ideais que muitas vezes se opõem, como quando se diz que um tem as potências do inédito e outro as possibilidades do efetivo. quer dizer, nada decepciona tanto o adolescente em nós quanto quando um herói finalmente vence. sua batalha deveria ser eterna ou condicionada pelo desaparecimento de ambos o sujeito e a ocasião, ou ao menos por uma derrota do sujeito. o mundo é dos vencedores, mas é preciso destruir o mundo. nada pior do que alguém que deseja vencer na vida para alguém cuja frase “seja herói” já ressoou fundo no coração. derrotando o vencedor, seja ele outro ou uma tendência em si mesmo, o herói não vence mas sim exclui a possibilidade da vitória. no plano da arte contra a cultura, certamente o herói está no lado da arte.

 


postado em 4 de junho de 2017, categoria aforismos : , , , , ,

competição

a verdadeira competição é contra si mesmo? mas quem garante que o competidor não esteja competindo contra si mesmo contra o outro? (pense nas vantagens de níveis mais altos de psicopatia – no fato de que não precisam vencer o preconceito interno de que é preciso jogar limpo). e a grande sacada: se você conseguir institucionalizar algo, mas de forma que a instituição gire em torno de si, dos seus interesses – a longa vitória.


postado em 7 de maio de 2017, categoria aforismos : , , ,

negociação

com dinheiro no bolso e comida na mesa, vamos negociar: i’d prefer not.

***

quantos empregos são empregos de merda? e que tipo de simetria é necessária para estabelecer uma relação de competição do ponto de vista do empregador: aqui o seu trabalho tem valor, aqui a sua vida não será medíocre etc.


postado em 4 de maio de 2017, categoria aforismos : , , , , , , , ,

arte contra a cultura

muitas pessoas adotam posições amenas em que, providencialmente, se omitem enquanto participantes. a observação mais perspicaz que conheço sobre isso é a anedota do congestionamento.

um sujeito, preso em um congestionamento, liga para seu colega de trabalho, dizendo: “vou chegar atrasado. é que estou aqui ajudando a congestionar a via com meu carro.”

no meio artístico é comum que se fale e faça muita arte contra a cultura, querendo dizer: contra a cultura dos outros, não a minha. de modo que o artista nunca fica perplexo em relação ao que fez, ou angustiado; seus amigos sempre podem ir aos seus shows e exposições mantendo um sorriso leve no rosto e curtir. há quem fale de um entretenimento “superior”. ninguém nunca vai comentar que você “forçou a amizade”.


postado em 21 de abril de 2017, categoria aforismos, comentários : , , , , ,

o cavalo hans

diz-se do cavalo hans: não é que sabia matemática, apenas lia as mentes das pessoas; de modo que, se tivesse de responder a ignorantes quanto era 91 dividido por 7, dificilmente bateria a pata 13 vezes. mas se o desafiador fosse sábio, sim. pois a mente era lida no corpo, antes mesmo de poder ser acessada na consciência. e isso era “verdadeiramente racional” – as patadas o demonstraram. assim, sobre a intuição:

se o corpo fala, que diga o cavalo.


postado em 11 de março de 2017, categoria aforismos, comentários : , , , , , ,

two lessons by karkowski

the golden rule: if it’s not red, raise it.

apocryphal: there is no headroom.


postado em 18 de fevereiro de 2017, categoria aforismos : , , , , , ,

humanos: animais

às vezes, ao ser confrontado com a burrice e estupidez humana, tento diminuir minha irritação pensando: são apenas animais, os humanos.

mas se um cachorro, na rua, corre em minha direção e morde minha perna, ou faz cocô bem na entrada de minha casa, por acaso não me irrito?

(pense em um gato em cima de uma árvore, em pânico)


postado em 14 de fevereiro de 2017, categoria aforismos : , , , , ,

dois provérbios de nisei

1. não há nada que tenha sido feito que um japonês não tenha copiado (bem) errado.

2. não há nada que tenha sido dito que um japonês não tenha entendido (bem) errado.

***

bônus: “a criatividade é um mito. torne-se um mestre da imitação.”


postado em 14 de novembro de 2016, categoria aforismos : , , , ,